Agosto 2000 - Aqua Nativa nº 18 "Ainda o Leitão Assado - A escolha do leitão"
ARTIGOS

Ainda o Leitão Assado

 

A escolha do leitão

 

Se o meu avô não tinha, na sua pocilga, o bicho adequado aos seus propósitos culinários, ia em busca dele, pelas pocilgas de vizinhos, amigos e conhecidos.

Raramente comprava animais em feiras: gostava de conhecer-lhes a origem e o trato. Só o seu comportamento na escolha do leitão, na pocilga, própria ou alheia, era digna de um pequeno tratado. Em primeiro lugar, queria saber em que dia exacto tinha nascido a ninhada e em que fase estava a Lua, nessa época. Algumas vezes indaguei o porquês dessa exigência e a resposta, curta e invariável, era: a Lua tudo influencia. Se a data do nascimento do bicho caía dentro das seis a oito semanas anteriores, mantinha-se o interesse em continuar a observação. Seis a oito semanas era, segundo ele, a idade ideal que um leitão devia ter para o fim em vista. Mas não era tudo. Havia outros factores que variavam de animal para animal e que era importante ter em conta. Para verificar um deles, munia-se de um pequeno balde de madeira, onde confeccionava uma mistura de água morna, farelo e beterrabas cortadas em rodelas pequenas; depois, com uma pequena corda, prendia a porca mãe a um canto da pocilga e, no canto oposto, de forma a que o animal adulto lhe não chegasse, despejava, numa pequena gamela a refeição porcina que preparara. Esse era um instante crucial. Da meia dúzia de animais, jovens se não fossem mais, havia uns que acorriam imediatamente para junto da gamela em busca do alimento fresco, outros ficavam-se mais acomodadamente agarrados às tetas da mãe, ignorando o farelo e as beterrabas que lhes eram oferecidos. A estes, naquele momento, saía a sorte grande. O meu avô considerava-os, ainda, mamões e o sabor da sua carne iria reflectir-se disso. O ponto adequado estava quando o leitão, embora mamando ainda, não enjeitava comida de porco adulto, ou seja, quando estava no momento do desmame. Mas faltava, ainda, verificar outro factor – o peso. O peso ideal do leitão para assar situava-se entre os oito e os nove quilogramas, em vivo.

Enfiado o leitão escolhido dentro de um saco de linhagem, era este pesado numa balança de mola. Quando o meu avô errava mais de duzentos gramas, para baixo ou para cima, o peso que enunciara para o leitão escolhido, dizia descoroçoado que estava a perder o “dedo”.

Carlos Alegre


Extraído da Revista
Aqua Nativa Nº 18
Agosto de 2000


 

 

 
 
 
 
número de visitantes: 642067