Junho de 2008 - "Antigos Sabores e Costumes da Bairrada - 1 - Leitão da Bairrada – O porco"
ARTIGOS

Não sou bairradina de gema, mas sim de coração, pois há mais de 40 anos que tenho contacto com as gentes da Bairrada e estou cá radicada há 38 anos.

Atrevo-me a escrever esta resenha daquilo que tive conhecimento nos primeiros anos de Bairrada, do que aprendi com a minha sogra e outras pessoas já de provecta idade, algumas já falecidas, que muito contribuíram para que os sabores e costumes não se perdessem no tempo.

 

1-     Leitão da Bairrada – O porco

A nossa Confraria já publicou um opúsculo o ano passado onde os passos principais do Leitão da Bairrada, desde a sua criação á maneira de servir e acompanhamentos, foram sumariamente descritos.

Voltando algumas dezenas de anos atrás, o leitão era criado em casa e a sua mãe era alimentada com couves, batatas, beterraba, abóboras e farinha de milho, pois os seus criadores eram essencialmente os agricultores da região que procuravam ter leitões para matar por altura das festas da terra e também para vender a conhecidos e outros.

O porco e a porca quando deixava de criar eram mortos para governo da casa.

Com a industrialização e subsequente abandono dos campos, o costume de criar porcos caiu em desuso e, hoje, poucos são os agricultores que o fazem.

A matança do porco fazia-se na época fria (Novembro, Dezembro e Janeiro) para que a carne não se estragasse, pois não havia frigoríficos nem câmaras onde se conservasse e todo o processo demorava um certo tempo.

A matança seguia um certo ritual e era também oportunidade para juntar alguns amigos e familiares.

No dia aprazado, de manhã bem cedo, levava-se o porco até ao carro dos bois, onde se deitava com a cabeça de fora do lado do toice e aí era espetado pelo matador. O sangue escorria para um alguidar de barro que previamente tinha sido colocado no chão por baixo da cabeça. Imediatamente a seguir, o sangue era levado pelas mulheres para a cozinha, onde já estava um grande tacho de cobre com água a ferver e era cozido com umas pedras de sal.

O porco era entretanto retirado do carro e levado até uma grande fogueira de agulhas (caruma) onde o pêlo era queimado. Depois de muito bem raspado com uns cacos de telha era lavado com água bem quente, o que ajudava a sair a pele fina que revestia o courato.

Depois do porco bem lavado vinha o pequeno-almoço ou bucha: colocava-se uma toalha em cima do porco e em cima dela as travessas, uma com o sangue já cozido cortado em pedacinhos, outra com bacalhau assado e lascado bem temperado com azeite, vinagre e alho e outra travessa com pão e broa. Tudo isto era acompanhado com o bom vinho da casa.

O matador e seus ajudantes picavam com um garfo os bocados que queriam entre ditos e brincadeiras com a criada da casa ou com as mulheres que ajudavam.

Depois levava-se o porco para uma divisão dos anexos da casa, normalmente térrea, onde numa trave do telhado já estava preso por uma corda o chambaril (pau torto que se enfia nos jarretes do porco) e aí era dependurado, preso pelos pés, de cabeça para baixo.

A seguir vinha o amanho do porco: abria-se, tiravam-se as tripas, os bofes, o coração, os rins, o fígado e outras miudezas e deixava-se a escorrer o sangue para um alguidar, que se colocava debaixo da cabeça do porco, até ao dia seguinte.

Entretanto na cozinha já tinham preparado o almoço com os produtos que havia em casa: sopa de legumes, frango ou pato ou outro animal de criação.

As tripas eram imediatamente separadas do seu “véu” e eram lavadas no rio ou ribeiro mais próximo.

No outro dia procedia-se à desmancha: eram separadas as carnes para os diferentes aproveitamentos: presuntos, rojões, chouriças e para salgar, por exemplo o toucinho, os ossos, algum entrecosto e os presuntos. Este processo de salga tinha uma certa técnica pois não devia ficar nenhum espaço entre as peças. Os presuntos ficavam no sal mais ou menos dois meses conforme o seu tamanho, depois eram tirados e muito bem lavados e secos após o que eram barrados com uma mistura de colorau e azeite e assim ficavam pendurados num sítio fresco da casa até serem consumidos. Os ossos e o toucinho eram usados para temperar sopas e servir no cozido.

No segundo dia faziam-se os rojões: carne do lombo, fêveras dos presuntos das mãos, alguns pedaços mais grossos de entrecosto eram postos a ferver e fritar nas gorduras já derretidas num tacho de cobre, em fogueira muito lenta.

Convidavam-se pessoas amigas para a rojoada e os rojões eram servidos com batata cozida e grelos de nabo.

Aos restinhos dos rojões que ficavam no fundo do tacho chamavam-se remualho e também este era aproveitado. Nos dias seguintes comiam-se as batatas de remualho ou as papas de remualho consoante as freguesias. As batatas eram cozidas com a pele e peladas para uma travessa e por cima levavam o remualho aquecido a que se juntava algum do sangue cozido e esfarelado. As papas eram feitas de farinha de milho e abóbora menina, colocadas numa travessa ou prato redondo e também levavam por cima o remualho.

O bucho e as tripas que não eram utilizadas nas chouriças eram postos em vinha-d’alhos e alguns dias depois cozidas e servidas com batatas e couves.

As carnes das chouriças eram cortadas e temperadas com colorau, vinho e uma boneca de alhos esmagados. Alguns dias depois enchiam-se as tripas que eram colocadas no fumeiro.

Os rojões que não se comiam nos primeiros dias eram colocados em tachos de barro, cobertos com pingue e aí se conservavam durante algum tempo.

Uma tradição da Bairrada que ainda hoje se mantém era guardar os pés de porco na salgadeira até Junho e ir então oferecê-los a Santo António durante a festa que se realiza em Avelãs de Caminho, concelho de Anadia.

Outra tradição era ir comer o rabo e as orelhas do porco, depois de previamente cozidos e acompanhados de outras iguarias, na festa de Santo Amaro (15 de Janeiro) em Malhapão, freguesia de Oiã, concelho de Oliveira do Bairro.

 

Junho de 2008

 

 

Dra. Maria Celeste Torres

(Professora)


 

 

 
 
 
 
número de visitantes: 641494